“Difícil de superar”: Redução do consumo de combustível para apenas 24 litros por cada 100 km com o Volvo FH com I-Save

Leitura de 4 minutos Leitura de 4 minutos

Ao fim de anos de melhoria contínua ao nível da eficiência do combustível, a Manuel Gonzalez Transportes acreditava que a sua frota tinha atingido um nível que não podia sofrer grandes reduções. Foi então que a empresa experimentou o novo Volvo FH com I-Save.

Antonio Pérez conduz camiões há 30 anos - 28 deles com a Manuel Gonzalez Transportes. O seu pai era motorista de camiões, tal como os seus seis irmãos. Como tal, é razoável dizer que sabe de camiões - e Antonio não hesitou em aproveitar a oportunidade para estar entre os primeiros a conduzir o novo Volvo FH com I-Save.

Antonio Pérez, Motorista, Manuel Gonzalez Transportes

Antonio Pérez, Motorista, Manuel Gonzalez Transportes

“A condução é extremamente suave, porque, a rotações tão baixas, quase não se consegue ouvir nada”, afirma Antonio, enquanto atravessa a paisagem quente e árida do centro da Espanha. “O que eu gosto no novo motor é que a capacidade de resposta é melhor a baixas rotações. É possível utilizar uma mudança mais alta, porque o binário se mantém. E, com menos passagens de caixa, o camião consome menos combustível, como é evidente.” 

Estas são notícias interessantes para Thomás Fernández, Diretor de Operações e coproprietário da Manuel Gonzalez Transportes. “Com os preços atuais, o consumo de combustível é extremamente importante”, explica. “As margens são muito pequenas e, hoje em dia, tudo gira em torno do preço. Estou no negócio há 30 anos e nem sempre foi assim, mas, neste momento, a situação é idêntica para todas as empresas do setor dos transportes. Uma empresa não pode ser mais cara do que todas as outras.”

É possível utilizar uma mudança mais alta, porque o binário se mantém. E, com menos passagens de caixa, o camião consome menos combustível, como é evidente.

Antonio Perez, Motorista, Manuel Gonzalez Transportes

A Manuel Gonzalez Transportes é uma empresa familiar com sede na periferia de Madrid que tem vindo a crescer e a expandir-se gradualmente ao longo dos últimos 50 anos, contando atualmente com uma frota de mais de 80 camiões. Reduzir e minimizar com sucesso o consumo de combustível - e, por extensão, reduzir custos - é vital para o futuro da empresa. 

“Atualmente, a nossa média é de aproximadamente 28 litros por 100 quilómetros, mas, há quatro anos, a média era de 35 litros e, há oito anos, era de 38 litros”, explica Thomás Fernández. “O consumo tem vindo a diminuir, mas é difícil porque, quando as normas Euro 5 e Euro 6 entraram em vigor, os camiões consumiam mais combustível. Podemos especificar o camião que queremos, as rodas e assim por diante, o que ajuda bastante. Mas, para ser honesto, há limites para o que podemos fazer dado que não fabricamos os camiões.”

No entanto, Thomás Fernández acredita que o setor chegou a um ponto de inflexão em que os fabricantes são capazes de desenvolver motores que cumpram as normas europeias relativas a emissões, poupando ainda assim combustível em simultâneo. Thomás indica o novo Volvo FH com I-Save como um exemplo perfeito. A empresa está a testar o novo modelo há vários meses, em diferentes percursos com diferentes capacidades de carga, constatando sempre os mesmos resultados positivos.

O Volvo FH com I-Save a circular na barragem

“O consumo de combustível já diminuiu dois litros nas últimas semanas e atingimos neste momento 24 litros por 100 quilómetros. Para um motor de 13 litros, este nível de consumo de combustível é muito difícil de atingir e penso que será difícil de superar. A longo prazo, presumimos que venha a diminuir ainda mais.”

O Volvo FH com I-Save é apenas o mais recente modelo da Volvo Trucks a ser testado pela Manuel Gonzalez Transportes ao longo dos anos. “Sempre estivemos abertos a experimentar novas soluções e camiões, se acharmos que podem constituir um bom investimento para nós”, diz Thomás Fernández. “A maioria dos nossos camiões são Volvo e temos uma estreita colaboração com a Volvo Trucks há muito tempo.”

Thomás Fernández, Diretor de Operações e coproprietário

Thomás Fernández, Diretor de Operações e coproprietário

Além de manter os custos reduzidos e permanecer competitiva, o outro grande desafio da Manuel Gonzalez Transportes é a escassez de motoristas. É um problema que pode ser constatado em todo o setor em Espanha, em parte devido ao elevado custo de obtenção de uma carta de condução. Para combater esta situação, a empresa está a contratar motoristas inexperientes e a formá-los internamente. Como tal, quaisquer soluções que possam facilitar a condução de um camião e ajudar os motoristas inexperientes a poupar combustível - como o I-See atualizado - são também de grande interesse. No que diz respeito a Thomás Fernández, o impacto que tal tem na condução é uma parte inevitável da melhoria ao nível da produtividade e da eficiência.

“É necessário um período de ajuste para todos os veículos novos, dado que a adaptação ao veículo e a formação de pessoas para o conduzir exigem tempo”, explica. “Quando as primeiras transmissões automáticas foram lançadas, ninguém as queria. As pessoas diziam que eram difíceis de manobrar e que as mudanças patinavam. Hoje em dia, ninguém aceita uma transmissão manual. O mesmo acontecerá neste caso.”

O consumo de combustível já diminuiu dois litros nas últimas semanas e atingimos neste momento 24 litros por 100 quilómetros.

Thomás Fernández, Diretor de Operações e coproprietário

No entanto, algumas coisas permanecerão sempre iguais, como, por exemplo, os princípios básicos para gerir uma empresa de transportes com êxito: “Será sempre necessário dispor de uma combinação de boas pessoas e bons veículos. Não é possível ter sucesso apenas com um e sem o outro.” 

 

Manuel Gonzalez Transportes
Estabelecida em:
 década de 1960.
Proprietário: Empresa familiar, fundada por Manuel González Blázquez.
Número de funcionários: 125 (incluindo 86 motoristas).
Carga: Mercadorias congeladas e de temperatura controlada.
Número de camiões: 82 (predominantemente Volvo Trucks com alguns modelos da Renault Trucks, MAN e Iveco).
História: A empresa familiar Manuel Gonzalez Transportes está em atividade desde a década de 1960. Hoje em dia, a empresa tem instalações em oito localidades em Espanha e Portugal.
Serviços: A empresa oferece uma vasta gama de serviços para uma ampla diversidade de cargas diferentes, desde entregas de encomendas expresso em qualquer ponto da Europa até ao transporte de navios porta-contentores intermodais.


Volvo FH com I-Save

O Volvo FH com I-Save é o veículo de longo curso mais eficiente em termos de consumo de combustível da Volvo Trucks até à data. O seu motor D13TC e as funcionalidades atualizadas ao nível do consumo de combustível foram projetados para reduzir os custos de combustível até sete por cento. O motor D13TC utiliza a tecnologia Turbo Compound, presente em motores de aviões de alta potência adaptados para a estrada, com a unidade TC a reutilizar o excesso de calor e energia dos gases de escape do camião. Toda a linha motriz foi igualmente calibrada para a máxima eficiência ao nível do combustível, com um novo design dos pistões que proporciona uma menor perda de energia térmica. Além disso, o I-Save integra as tecnologias de ponta da Volvo Trucks, como, por exemplo, o software I-See com base em mapas e o I-Cruise com I-Roll. É especialmente adequado para operadores de longo curso que normalmente percorram mais de 120.000 km por ano.

Related News

“A diferença é enorme”: Poupanças significativas de combustível e de AdBlue nas desafiantes estradas da Finlândia

A empresa finlandesa Kuljetusliike Antti Airaksinen começou recentemente a utilizar um Volvo FH com I-Save nas suas operações de distribuição alimentar. Desde então, o consumo de combustível diminuiu 4,5 litros por 100 quilómetros, o que teve um ...

Redução de até 10% do consumo de combustível: Por que motivo o Volvo FH com I-Save está “na linha da frente” para o transportador francês

O transportador francês líder Gautier Fret Solutions (GFS) foi um dos primeiros a testar o novo Volvo FH com I-Save. Um ano depois, os resultados são impressionantes - o consumo de combustível foi reduzido em três litros por cada 100 ...